Cientistas Brasileiros: Carlos Chagas

O trabalho de Chagas é único na história da medicina: inicialmente, a descoberta do agente patogênico, depois, seu estudo e, finalmente, a descrição da moléstia por ele provocada – a doença de Chagas.


Ano 1 – Revista nº 3 – Fevereiro 2010

Cult - Cientistas BrasileirosO homem:

Carlos Justiniano Ribeiro Chagas, ou simplesmente Carlos Chagas, médico brasileiro sanitarista que a 23 de abril de 1.909, descobriu o parasito Trypanosoma cruzi, no sangue de um ser humano: uma menina de três anos, Berenice, em plena fase aguda.

O trabalho de Chagas é único na história da medicina: inicialmente, a descoberta do agente patogênico, depois, seu estudo e, finalmente, a descrição da moléstia por ele provocada – tudo isso realizado por um único pesquisador. É o responsável pela criação dos diversos serviços especializados de saúde como o de higiene infantil, de combate às endemias rurais, à tuberculose, à hanseníase, às doenças venéreas. Reconhecido internacionalmente pelo Instituto de Doenças Tropicais de Hamburgo, na Alemanha.

Doença:

Quem nunca ouviu falar da doença de Chagas? Doença causada pelo protozoário parasita Typanosoma cruzi que é trasmitido pelas fezes de um inseto (triatoma) conhecido como barbeiro. Esse inseto de hábitos noturnos viva nas frestas das casas de pau-a-pique, ninhos de pássaros, tocas de animais, casca de troncos de árvores e embaixo de pedras.

Transmissão:

A doença de Chagas não é transmitida ao ser humano diretamente pela picada do inseto, que se infecta com o parasita quando suga o sangue do animal contaminado (gambás ou pequenos roedores). A transmissão ocorre quando a pessoa coça o local da picada e as fezes eliminadas pelo barbeiro penetram pelo orifício que ele deixou.

A transmissão pode também ocorrer por transfusão de sangue contaminado e durante a gravidez, da mãe para o filho.

Sintomas:

Febre, mal-estar, inflamação e dor nos gânglios, vermelhidão, inchaço nos olhos (sinal de Romanã), aumento do fígado e do baço são os principais sintomas. Dependendo do paciente pode conduzir à morte.

Conheça outras matérias da série cientistas brasileiros:
Adolpho Lutz
Osvaldo Cruz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.