Livro Infantil: Saiba mais sobre eles!

Os livros infantis são há tempos um dos melhores amigos das crianças. Mas e a história deles, você conhece? Então que tal aproveitar o Dia Internacional do Livro Infantil para saber um pouco mais?


Notícias 25 – 01 de abril de 2011

Eles são divertidos, dão asas para a criatividade, ensinam e contam muitas histórias. Os livros infantis são há tempos um dos melhores amigos das crianças. Mas e a história deles, você conhece? Então que tal aproveitar o Dia Internacional do Livro Infantil para saber um pouco mais?

Antes do século XVII, lia-se para as crianças manuscritos religiosos. A partir do século XVII, percebeu-se a necessidade de uma literatura especificamente com linguagem infantil. Esse novo segmento tinha o objetivo de educar crianças sobre questões morais e éticas. Por isso, as primeiras histórias tinham sempre a famosa “moral da história”. O princípio era levar a criança a uma reflexão para rever comportamentos e torná-la uma pessoa melhor. Uma das primeiras obras infantis foram os registros das fábulas de Esopo, um autor de tradição oral grega, que utilizava animais para representar o comportamento humano.

Para Umberto Eco, filósofo e escritor italiano, a literatura envolve a criança e tem a mesma função de um brinquedo, “as crianças brincam com a boneca, cavalinho de madeira ou pipa a fim de se familiarizar com as leis físicas do universo e com os atos que realizarão um dia”.

Por isso, a literatura infantil tem um papel fundamental na educação, pois será um dos pilares de formação do caráter e da visão de mundo da criança. É nesse encontro com a leitura que ela terá oportunidade para ampliar e transformar sua “bagagem” pela vida.

Durante muito tempo utilizava-se para as crianças o mesmo material e histórias dos adultos. Hoje, sabe-se que a criança precisa de uma linguagem apropriada, o que não significa simplicidade ou menosprezo de repertório, significa ensinar com linguagem especifica, que se aproxime da fase de percepção de mundo que a criança está vivendo.

Histórias para quem não sabe ler

E as crianças menores, como ficam? Os livros e o ensino devem existir para elas também. Quanto mais cedo forem levadas à reflexão e ao aprendizado, melhor e mais forte serão seus princípios e seu caráter. Elas não devem ser tratadas como incapazes ou com estruturas sem conteúdo, são pequenas, não burras. Vejamos os formatos que mais se aproximam para transmitir conteúdo à cada idade:

De 1 a 2 anos

É uma fase de contato com o mundo. Elas se atentam a cores, movimentos, sons, imagens e tudo que possa interagir com elas, que seja possível tocar. Bonecos e livros de manuseio são excelentes para essa fase.

De 2 a 3 anos

O ritmo acelera um pouco. Histórias ou atividades extensas repulsam a atenção. É preciso ser objetivo e chamativo para atraí-la. O teatro e a música são fascinantes para essa faixa etária.

De 3 a 6 anos

Nesse ponto a criança começa a assimilar cada vez mais a história com seu dia-a-dia. Quanto mais próximo daquilo que ela vive, melhor. É a época em que elas criam coisas, nomeiam, se aproximam do jogo de palavras. Também é uma fase em que misturam o real com o imaginário, entram na história, acham que tudo pode ser possível. Excelente momento para inserir experiências de interação e criação, ou seja, elementos que ela possa participar da história. Deixá-la desenhar, modelar massa, fazer dobraduras, etc.

A partir dos 6 anos

O interesse pela literatura, ainda que simples, deve ser estimulado. É o aprendizado da leitura e os primeiros contatos com as letras. Agora ela vai ler, interpretar e imaginar. Elas passam a ter mais compreensão do contexto e podem até ajudar a construir as histórias. É um bom momento para o cooperativismo.

Agora é com você! Que tal aproveitar para trazer mais crianças ao mundo da leitura e do conhecimento? Pratique!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.