Jornada: por que é difícil realizar o que planejamos?

Jornada: uma das questões determinantes na gestão de projetos se resume em sua continuidade. Como chegar até o objetivo proposto?


Notícias – 14 de julho de 2015

Uma das questões determinantes na gestão de projetos se resume em sua continuidade. Como chegar até o objetivo proposto?

Numa metáfora toda a realização de um projeto pode ser comparada ao desafio de uma grande jornada.
E é muito difundido a ideia de que uma grande jornada começa pelo primeiro passo.

Essa é uma expressão bonita, porém isolada de instruções mais objetivas e de cunho prático não ajuda muito a responder à questão principal que ronda todo o debate filosófico desse tipo: afinal, como fazer para dar continuidade à jornada até concluí-la?

Sim, começa pelo primeiro passo. É este instante de decisão que define o início da jornada. O passo determinante.

Porém a jornada pode acabar ali mesmo no segundo ou no terceiro passo se não existir a determinação e os recursos necessários para se executar os incontáveis passos seguintes, que a constroem com a mesma decisão do primeiro.

Vale como exemplo todas as segundas-feiras de início da dieta hipocalórica ou todas as vezes que se decidiu parar de fumar.

Cominuição

A primeira resposta está em nossa própria metáfora: cominuição, ou seja, devemos decompor a jornada em seus passos constituintes e planejar o que fazer passo a passo. Quais os recursos necessários? Qual velocidade deve ser impressa?

Na natureza nada ocorre aos saltos, ou expressando de outro jeito, tudo segue um fluxo dentro de um processo gradual.

Toda alteração desse fluxo natural acaba gerando uma reação que na busca do equilíbrio desencadeia o famoso efeito rebote, que na maioria das vezes faz com que as coisas voltem à estaca zero. E esse dissabor já foi experimentado por diversas vezes.

Tomando novamente o exemplo da guerra contra a balança, já existem evidências de que o célebre efeito sanfona é o principal resultado de dietas e outras ações radicais (incluindo drogas e até algumas intervenções cirúrgicas).

Em suma, quando mais ao norte um sujeito quer ir mais ao sul ele chega por puro radicalismo.

Daí a ideia de dividir essa grande jornada em pequenos passos sem ações radicais.

Nas palavras de Gonzales Pecotche “devemos fragmentar uma grande tarefa em tarefas menores” sabendo que cada vez que uma dessas tarefas menores for cumprida surgirão estímulos para executar a tarefa seguinte.
Acho que vale tentar quando planejarmos algo.

Primeiro Passo

No entanto, antes de mais nada devemos perguntar para onde queremos ir e ter certeza desse objetivo. Esse talvez seja o primeiro e determinante passo. Aquele que vai impulsionar todos os demais. Para onde quero ir e por quê? Tenho certeza desse rumo?

Pois como diz Sêneca, para aquele que não sabe qual direção tomar todos os ventos sopram contra.

“Determinarás tu algum negócio, e ser-te-á firme, e a luz brilhará em teus caminhos”. (Jó 22:28)

Fonte: HypeScience

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.