O motivo da seca em São Paulo

Diversos cientistas acreditam que a resposta para a seca no Sudeste do país está na Floresta Amazônica.


Notícias – 10 de dezembro de 2014

São Paulo vem sofrendo a sua pior seca em oito décadas, com chuvas atingindo apenas um terço do nível normal. Sem quedas fortes e prolongadas, a megalópole de 23 milhões poderá em breve ficar sem água, alertam os especialistas.

amazonia-838x558

Um crescente número de cientistas acredita que a resposta para o que está acontecendo com os moradores que já sentem a crise nas torneiras de casa não está no céu acima de suas cabeças, mas em décadas de desmatamento da Floresta Amazônica, a centenas de quilômetros de distância.

O corte de árvores, dizem os cientistas, está dificultando a imensa capacidade da selva de absorver carbono do ar e puxar água suficiente por meio das raízes das árvores para abastecer os gigantescos “rios voadores” (clique no link e confira um vídeo explicativo) que movem mais umidade do que o próprio rio Amazonas. Conhecidos também como “rios atmosféricos”, “são imensas massas de vapor d’água que, levadas por correntes de ar, viajam pelo céu e respondem por grande parte da chuva em várias partes do mundo”, explica o engenheiro agrônomo Enéas Salati, da Universidade de São Paulo (USP).

Estudos estimam que mais de dois terços da chuva no Sudeste do Brasil, lar de 40% de nossa população, vem desses rios. Quando secam, começa a estiagem. Segundo um estudo recente realizado por Antonio Nobre, cientista do clima do Centro de Ciência do Sistema Terrestre (CCST), não é só no Brasil que eles desempenham um papel fundamental na meteorologia, mas na América do Sul como um todo.

A pesquisa reúne dados de vários pesquisadores para mostrar que a Amazônia pode estar mais perto de um ponto de inflexão que o governo tem reconhecido, e que essas mudanças poderiam ser uma ameaça para climas em todo o mundo.

falta-agua-sao-paulo-reservatorio-jaguari

Imagens da Nasa mostram a situação crítica da falta de água em São Paulo

A destruição da Amazônia seguiu sem muito controle até 2008, quando o governo reforçou suas leis ambientais e enviou agentes armados para a selva para diminuir o ritmo do desmatamento por pecuaristas, produtores de soja e especuladores de madeira. O impacto foi rápido: a destruição em 2012 foi de um sexto do que foi registrado oito anos antes, embora tenha aumentado nos últimos dois anos.

Mas Nobre e outros cientistas advertem que não é suficiente apenas diminuir o ritmo de destruição – ela deve ser interrompida. “Com cada árvore que cai você perde um pouco mais da água que estaria sendo transportada para São Paulo e o resto do Brasil”, opina Philip Fearnside, professor do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, que não fez parte do estudo de Nobre. “Se você simplesmente deixar que isso continue, vai haver um grande impacto sobre os grandes centros populacionais no Brasil, que estão sentindo o aperto agora”.

No início deste ano, pesquisadores da Universidade de Minnesota, nos Estados Unidos, destacaram em um artigo publicado no “Journal of Climate” as duas secas que aconteceram em 2005 e 2010 na região, chamadas por eles de eventos “que acontecem uma vez a cada século”. Eles usaram simulações climáticas para descobrir que o desmatamento tem potencial de aumentar o impacto das secas na bacia amazônica.

A seca e a bacia amazônica

A pesquisa mostra que a umidade uniforme da floresta reduz consistentemente a pressão atmosférica na bacia amazônica, permitindo que ela puxe correntes de ar úmido do Oceano Atlântico muito mais para o interior do continente do que nas áreas que não têm florestas. Essas correntes viajam em direção ao oeste até que atingem a cordilheira dos Andes, onde se articulam e carregam chuvas para Buenos Aires ao sul, e São Paulo ao leste.

Os rios atmosféricos são gerados pela floresta, que age como uma enorme bomba d’água. As árvores bombeiam cerca de 20 bilhões de toneladas de água para a atmosfera todos os dias – 3 bilhões a mais do que o que o rio Amazonas, o maior do mundo, descarrega no oceano.

Pesquisas recentes indicam que a precipitação diminuiu rapidamente em áreas desmatadas. Quanto menos árvores, menos umidade existe na bacia do Amazonas, enfraquecendo seu “efeito bombeador”.

O relatório de Nobre alerta para a necessidade crucial de replantar um quinto das áreas de floresta que foram destruídas. Além disso, 310 milhões de hectares, uma área duas vezes o tamanho da França, foram degradados e precisam ser restaurados. “Somos como o Titanic se movendo em linha reta na direção do iceberg”, afirma Nobre.

Segundo a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, o governo está preparando um estudo para medir o impacto que o desmatamento teve nas últimas décadas.

A questão é complexa e está ligada a problemas locais e ao próprio desejo do governo de desenvolver a região amazônica, lar de cerca de 25 milhões de pessoas. Teixeira disse que o truque é encontrar o equilíbrio, para ser capaz de usar a floresta para beneficiar a população sem destruí-la no processo.

No entanto, o relatório do Nobre incita o governo a tomar medidas mais urgentes, direcionadas ao desmatamento zero. Além disso, convida os brasileiros a se informarem sobre a abordagem do governo com relação a Amazônia. “O choque das torneiras secas aqui, das cidades alagadas de lá e outros desastres naturais certamente devem provocar uma reação”, acredita o pesquisador.

Racionamento

Na cidade de Itu, que fica a aproximadamente 72 quilômetros de São Paulo, os moradores estão sentindo a seca mais do que em qualquer outro lugar. A água é tão escassa que caminhões de abastecimento foram sequestrados sob a mira de armas. “Estamos com muito medo”, conta Ruth Arruda, uma professora da educação básica que parou de lavar louça e agora usa apenas pratos e copos descartáveis. “A água simplesmente não tem de onde vir. Ninguém está nos ajudando a poupar e as barragens não estão armazenando direito”.

Recentemente, Ruth e sua filha foram a um quiosque local para encher garrafas de refrigerante vazias com água de uma torneira. Até chegar lá, ela passou por diversas casas com placas que retratam o desespero da comunidade: “Socorro, Itu precisa de água”. Na década de 1980, ela diz, a cidade derrubou dezenas de árvores para limpar terrenos nos quais seriam construídas grandes casas para empresários que queriam viver em uma comunidade tranquila, longe de São Paulo. “Temos de olhar para dentro e prestar atenção ao que fizemos de errado para o nosso meio ambiente”, disse a moradora.

Depois de dez meses de racionamento, no último dia 5 o abastecimento de água foi restabelecido na cidade – ainda assim, a orientação é que seja evitado o desperdício. O período de falta de água foi marcado por protestos da população. A decisão foi tomada pela concessionária que administra o sistema da região, a Águas de Itu, que garante que atualmente as represas estão operando com 70% da capacidade.

Passada a crise, a cidade realizou uma assembleia para discutir medidas para poupar água. Além disso, muitos moradores garantem ter aprendido uma lição com as dificuldades enfrentadas neste ano e vão continuar com os bons hábitos de economia. “O tempo de lavar calçada com esguicho já acabou”, disse a aposentada Maria Aparecida Lima em entrevista ao portal G1. “Eu sempre falo para os meus netos: eu não estou sentindo falta de água, mas vocês, se não economizarem agora, vão sentir falta de água mais tarde”. [Phys.com, G1, G1, Planeta Sustentável]

52f8a51d6fea0

Túnel Subterrâneo Que Pretende Acabar Com A Seca Do Nordeste

Fonte: HypeScience

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.